Carregando...

Empiema Epidural Espinhal

13 de setembro de 2017 by Admin

Introdução

O empiema epidural é uma entidade infecciosa incomum, sendo responsável por uma a cada 20.000 admissões hospitalares. Acometem mais frequentemente pacientes do sexo masculino, principalmente entre 50 e 60 anos de idade, embora possam ocorrer em qualquer idade.

O diagnóstico imediato tem grande relevância para o tratamento precoce, diminuindo a morbidade. Acometem mais comumente a porção posterior das colunas torácica e lombar.

 

Etiologia

Cerca de 50% dos casos tem origem hematogênica (infecção de partes moles, endocardite, infecção do trato urinário, infecção do trato respiratório, drogas injetáveis), 10 a 30% resultam da extensão direta da infecção local e aproximadamente 20% dos casos são devido a procedimentos invasivos ou instrumentação. Em alguns casos a causa do empiema não é identificada.

 

Fatores de Risco

Diabetes mellitus, trauma raquimedular, cirurgia prévia, uso de drogas eendovenosas, alcoolismo, insuficiência renal, imunossupressão, gravidez e anestesia epidural.

 

Patógenos

Estafilococo aureus (mais comum-60% dos casos)

Estafilococos coagulase-negativos (geralmente associados a procedimento cirúrgico prévio)

Estreptococos (incluindo viridans, grupo B e pneumococo)

Anaeróbios

 

Apresentação Clínica

Os sintomas mais comuns são dor (ocorre em mais de 70% dos casos) , febre e déficit neurológico. Os sintomas geralmente ocorrem de forma gradual e progressiva e o atraso no diagnóstico e tratamento aumentam significativamente a morbimortalidade.

 

Diagnóstico

Leucocitose e VHS elevado são achados comuns, embora inespecíficos.

Hemocultura é  positiva em aproximadamente 60% dos casos.

Neuroimagem: Ressonância magnética é o exame de maior acurácia (alta sensibilidade e especificidade), sendo portanto o de escolha frente suspeita clínica e laboratorial. Tomografia deve ser realizada quando não for possível realização da ressonância.

 

Tratamento

O tratamento padrão geralmente engloba descompressão cirúrgica com drenagem de secreção purulenta de urgência associado a antibioticoterapia de amplo espectro.

Antibioticoterapia isolada (com punção de coleção purulenta para cultura guiada por TC) pode ser considerada em pacientes com risco cirúrgico proibitivo, que tenham déficit neurológico completo por mais de 48-72 horas ou que não tenham déficit neurológico (desde que tenha adequado monitoramento neurológico).

Antibioticoterapia empírica deve abranger cobertura para cocos gram positivo (uma opção é a vancomicina) e bacilos gram negativos (cefalosporinas de terceira/quarta geração e meropenem estão dentre as opções).O tempo de antibioticoterapia é controverso, mas período por 4-12 semanas pode ser considerado adequado.

 

Prognóstico

A taxa de mortalidade estimada é de 2-20%. Fatores relacionados a prognóstico desfavorável incluem atraso no diagnóstico, tratamento e comorbidades.

 

Referências Bibliográficas:

1- Greenberg, Mark. Handbook of Neurosurgery. 7th ed. Thieme; 2010.

2- Marc Sindou. Practical handbook of neurosurgery from leading neurosurgeons. 1th ed. Springer; 2009.

3- Medscape Reference Drugs, Conditions & Procedures (internet). December 2011 [cited 2012 januaryl 17] Available from:http://emedicine.medscape.com/.

Dr. José Lopes

Área de atuação em Doenças Cérebrovascular, Cirurgia Base Crânio com ênfase técnicas minimamente invasivas (Endoscopia Base de crânio e ventricular ) e Tratamento das doenças da Coluna Vertebral.

Últimas postagens

Todos os direitos reservados - 2017 © Doutor José Lopes.